Unochapecó implanta mudanças de estrutura e gestão.

    Medidas agilizam processos e atendimento de demandas

     A necessidade de atualizar a instituição para o novo contexto da educação superior no país e o estabelecimento de condições para o pleno cumprimento da missão de produzir e difundir conhecimentos, com atuação mais ágil e adequada às demandas da sociedade, mais focada em prioridades e com maior racionalização de recursos. Dentro desses parâmetros, a Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó) implantou nova estrutura organizacional e de gestão.

    O reitor Odilon Luiz Poli destaca que, com as mudanças, há o significado de uma arrojada agenda de transformações, que colocam a Unochapecó como uma das instituições com maior capacidade de futuro e de estabelecer novo ciclo de crescimento. “Uma longa agenda de mudanças está colocada, para dar agilidade ao cotidiano e potencializar a produção acadêmica”, assinalou o dirigente. 

    Uma das principais mudanças estruturais está na transformação dos oito centros existentes em quatro áreas, como instâncias institucionais. Outra envolveu a reestruturação da Reitoria, que antes possuía as vice-reitorias de Pesquisa, Extensão e Pós-graduação, de Administração e de Graduação. Todas as atividades acadêmicas passaram para a Vice-reitoria de Ensino, Pesquisa e Extensão, foi criada a Vice-reitoria de Planejamento e Desenvolvimento e mantida a Vice-reitoria de Administração. Juntamente com essa adequação, também ocorreu mudança nas coordenadorias, que passaram a atuar como diretorias segmentadas por área de atividade.

      O redimensionamento da estrutura agiliza os processos de decisão e de execução das atividades acadêmicas e administrativas e permite melhorar a qualidade dos serviços prestados pela instituição. Também contribuirá para: aumentar a qualidade e o volume proporcional da produção acadêmica; melhorar as condições para a percepção e o atendimento das necessidades de serviços educacionais; criar condições para a otimização dos recursos disponíveis na instituição, viabilizando a melhoria da qualidade dos gastos efetuados em suas atividades; adequar a instituição às condições do novo contexto de desenvolvimento da educação superior; e aumentar a satisfação e a qualidade de vida no trabalho dos quadros docente e técnico da instituição.

    Para a implantação da nova estrutura houve adequações no estatuto da universidade, aprovado pelo Conselho Universitário (Consun) em 27 de fevereiro e pela mantenedora Fundeste, em 24 de abril. Também foi adequado o Regimento Geral, aprovado pelo Consun em 21 de julho e pelo Conselho Superior da Fundeste em 30 de julho.