UEG premiada no Festival do Minuto.

    A Unidade Universitária Laranjeiras, da Universidade Estadual de Goiás, em Goiânia, cedeu palco no último dia 18 de setembro para a I premiação local do Festival do Minuto. Goiânia é uma das 30 cidades participantes do festival, que faz uma seleção nacional e internacional de vídeos de até 60 segundos. No evento foram divulgados os dois filmes regionais vencedores, além de uma mostra com os vídeos inscritos dos candidatos da Capital.

     

    O vídeo “Eu ando tão besta ou sonhos nunca mais”, do professor Sérgio Valério, foi o vencedor do Festival . Ele recebeu o Troféu do Minuto em forma de relógio e um prêmio no valor de R$ 500. O mesmo filme de Valério também foi premiado na categoria nacional. “Isso é uma abertura para divulgação de novos filmes. E com certeza fomenta a produção universitária, que pode mostrar a sua potencialidade no audiovisual”, comemorou Sérgio. Outro vídeo também premiado foi  “Em Mim”, de Gustavo Vilar, que recebeu uma menção honrosa pela qualidade.

     

    Goiânia também recebeu o prêmio de Cidade Revelação pela qualidade dos 89 vídeos inscritos no festival. “O prêmio ficará aqui na UEG. A organização do evento decidiu entregar à instituição porque ela acolheu, incentivou e estimulou o festival desde o início. Além disso, a curadora de Goiânia é aluna do 4º período do curso de Audiovisual”, explicou a coordenadora do curso de Audiovisual, Jô Levy. O troféu foi entregue à diretora educacional da Unidade Universitária Laranjeiras, Idiner Leontina Serradourada.

     

     

     

    O Festival

     

     

    O Festival do Minuto foi criado no Brasil em 1991. É, hoje, o maior festival de vídeo da América Latina, tendo inspirado festivais semelhantes em mais de 40 países. Desde 2007, se tornou permanente e online, passando a receber e exibir vídeos diretamente pela internet. Mensalmente, novos temas são lançados e os melhores vídeos recebem prêmios em dinheiro. Esse ano também foi incorporada outra novidade, que são curadores em 30 cidades. Eles avaliam vídeos enviados de candidatos de todo o Brasil e também de fora do país. São também responsáveis por procurar produtores de vídeos e convidá-los a se inscreverem no festival.

     

                Desde março deste ano a acadêmica do 4º ano do curso de Audiovisual, Verônica Brandão, é uma das curadoras. Ela ressalta que a intenção do evento em ser permanente é justamente de incentivar a produção audiovisual, aguçando a criatividade dos profissionais da área. O festival é aberto à participação de qualquer pessoa, desde que saiba manusear uma câmera e fazer o trabalho de edição. “Eu já avaliei diversos trabalhos. Uma vez avaliei um vídeo produzido por um menino de sete anos, mas há também outros corriqueiros como de um pai que resolve fazer um vídeo sobre as peripécias de seu filho”, conta Verônica. Ela dá algumas dicas para um vídeo bem elaborado: boa imagem, áudio, angulação (enquadramentos), não cair em clichês e aliar a trilha musical à imagem, usando sempre a criatividade.