Unicamp aprimora seletividade do vestibular.

    Mudanças vigorarão no próximo exame e vão promover a atualização acadêmica e programática.


    A Universidade fará mudanças no Vestibular Nacional Unicamp (VNU) com o objetivo de promover a atualização acadêmica e programática e aprimorar a seletividade do certame. As alterações, que valerão para o próximo exame, voltado aos ingressantes de 2011, incluem a substituição das questões dissertativas pelas de múltipla escolha e a ampliação de um para três textos referentes à redação, provas que constituem a primeira fase. Na segunda fase, os candidatos responderão a 24 questões dissertativas em cada um dos três dias, relativas a três áreas do conhecimento: Matemática (12) e Língua Portuguesa e Literatura (12), Ciências da Natureza (8 de Física, 8 de Química e 8 de Ciências Biológicas) e Ciências Humanas e Artes (pelo menos 8 de História e 8 de Geografia, 6 de Língua Inglesa e até 2 entre Filosofia, Sociologia e Artes). “Estamos convencidos de que essas modificações aprimorarão o nosso processo de seleção, cuja qualidade sempre foi muito elevada”, afirma o coordenador da Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest), Renato Pedrosa.

    De acordo com ele, a revisão do vestibular vinha sendo discutida pelo menos desde 2005, dentro de um processo permanente de avaliação instituído pela Universidade. Há questão de um ano, porém, as propostas começaram a evoluir. Até aprovação, esta semana, pela Câmara Deliberativa do Vestibular, instância responsável por esse tipo de medida, as sugestões de modificações foram exaustivamente analisadas e submetidas a um amplo debate nas unidades de ensino e pesquisa da instituição. Os dois principais pontos motivadores da revisão do certame, assinala Pedrosa, foram a necessidade de promover a atualização acadêmica e programática e de aprimorar a seletividade do exame, notadamente na primeira fase. Em relação ao primeiro aspecto, o coordenador da Comvest explica que o vestibular da Unicamp foi formulado originalmente em uma época em que o ensino médio era dividido em disciplinas tradicionais como matemática, física, química e história, entre outras. Estas, segundo Pedrosa, constituíam a estrutura das duas fases do exame.