Evento na Unimontes apresenta meta e ações do centro de convivência com o semiarido.

     

     

    Implementar estratégicas de convivência com a seca, visando acelerar o processo de desenvolvimento das regiões dos Vales do Jequitinhonha e do Mucuri e do Norte de Minas. Este é o principal objetivo do Centro de Estudos de Convivência com o Semiárido, criado pelo Governo de Minas, através de parceria entre as  Secretarias de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes) e Extraordinária  dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri e do Norte de Minas (Sedvan), com atividades  coordenadas pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).

     

    Os objetivos e as ações do Centro de Estudos foram apresentados em um ‘workshop’, na manhã dessa segunda-feira (22), com a presença de pesquisadores, técnicos e representantes das instituições envolvidas em sua elaboração, como universidades, institutos e empresas públicas. Ao participar do evento, a pró-reitora de Extensão, professora Marina Ribeiro Queiróz, representando o reitor, professor Paulo César Gonçalves de Almeida, enfatizou que a Unimontes, ao atuar no desenvolvimento de estudos e nas estratégias para a convivência com a seca, está cumprindo sua missão como universidade de integração regional.

     

    “Como referência na produção do conhecimento, transformando-o em benefício para a comunidade, a Unimontes estará sempre disposta a contribuir com a melhoria da qualidade de vida, em especial, no Norte de Minas e nos Vales do Jequitinhonha e do Mucuri”, afirmou a professora Marina Queiróz.

     

    METAS – As propostas do Centro de Estudos de Convivência com o Semiárido foram apresentadas pela professora Anete Marília Pereira, coordenadora da unidade no âmbito da Unimontes. A sede provisória está instalada no prédio do antigo Casarão da Fafil.

     

    Ela lembrou que a seca é um problema histórico da região e que simplesmente as ações de combate não surtem os efeitos desejados. “É preciso criar condições para a convivência com o semiárido. Essa estratégia visa focar a vida nas condições socioambientais da região, em seus limites e potencialidades, pressupondo novas formas de aprender a lidar com esse ambiente para alcançar e transformar todos os setores”, afirmou a professora Anete Pereira.

     

    A coordenadora observou, ainda, que o Centro de Estudos tem como uma de suas metas conjugar todos os esforços de diferentes secretarias, universidades públicas e outras instituições, buscando a implementação de pesquisas voltadas para o desenvolvimento sustentável das regiões atingidas pelas secas. Outra proposta é de “articular a produção de conhecimentos voltados para a solução de problemas regionais”.

     

    Destacou, ainda, que todas as ações serão realizadas em parceria. Por essa razão, a unidade conta com um comitê técnico, integrado por representantes de vários órgãos e instituições.

     

    AÇÕES PRÁTICAS - A professora Anete Marília Pereira apresentou ainda algumas ações práticas que já foram adotadas pelo Centro de Estudos para a Convivência com o Semiárido. Entre as atividades implementadas estão a formação de um banco de dados completo sobre as regiões envolvidas e, ainda, um levantamento de pesquisas e diagnósticos existentes sobre a realidade climática. Está em fase final a elaboração de um plano diretor, que definirá as estratégias a serem desenvolvidas. Também foi desenvolvido um portal eletrônico: www.semiarido.unimontes.br.