Unimontes inicia atividades do doutorado próprio em Ciências da Saúde: o primeiro da sua história.


     

    Foi realizada nesta segunda-feira (14), a aula inaugural do primeiro doutorado próprio da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), em Ciências da Saúde - recomendado pela Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Ministério da Educação (MEC). Nessa atividade de abertura, no auditório do Hospital Universitário Clemente de Faria, o reitor João dos Reis Canela e a vice-reitora Maria Ivete Soares de Almeida, destacaram a implantação do primeiro doutorado próprio como o “significado de uma trajetória de avanços”.

     

    Participaram pró-reitores, integrantes da administração superior, diretores do Hospital Universitário, coordenadores do programa de pós-graduação em Ciências da Saúde e professores, além dos 13 alunos selecionados para o doutorado.

     

    O reitor fez um resgate histórico desde o período da criação da antiga Fundação Norte Mineira de Ensino Superior (FUNM), na década de 1960. “Temos que reverenciar os visionários que, naquela época, sonharam com a criação de uma universidade em nossa região e que agora atinge um nível elevado de difusão do conhecimento, com a criação do seu primeiro doutorado”, acrescentou.

     

    Ele também se lembrou dos resultados positivos que a instituição experimenta na pós-graduação Stricto sensu, sendo que nos últimos oito anos, além do doutorado, foram implantados oito mestrados próprios. “Estamos vivendo, de forma muito concreta, uma metamorfose na pós-graduação Stricto sensu, que foi estabelecida a partir de 2003, com a criação do nosso primeiro mestrado, na área de Desenvolvimento Social”, disse João Canela.

     

    Novos tratamentos

    Para o reitor, o doutorado em Ciências da Saúde significa também a oportunidade para que a Universidade Estadual de Montes Claros possa produzir novos conhecimentos na área e oferecer a sua contribuição para o surgimento de novos tratamentos de doenças, “o que já vem acontecendo no Hospital Universitário Clemente de Faria”, onde são desenvolvidas diversas pesquisas, especialmente, na área de doenças infectocontagiosas e parasitárias. Entre outros experimentos, a unidade sedia estudos importantes relacionados ao tratamento da Leishmaniose Visceral.

     

    A vice-reitora Maria Ivete Soares de Almeida também enalteceu o crescimento da pós-graduação Stricto sensu na Unimontes, que, segundo ela, vem expandindo as ações graças à dedicação dos seus professores, alunos e servidores. “Com a implantação do primeiro doutorado próprio, chegamos à conclusão de que a pesquisa e o desenvolvimento são realidades em nossa região. E isso ocorre graças à presença da universidade”, assegurou a vice-reitora.

     

    O coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, professor Alfredo Maurício Batista de Paula, fez um resgate dos trabalhos que culminaram com a aprovação do doutorado pela Capes/MEC. Ele também ressaltou o apoio da reitoria e observou: “é muito bom trabalhar numa universidade que reconhece, investe e apóia novos projetos, sem apresentar resistências ao novo paradigma que se coloca no cenário mundial: os desafios decorrentes da interação do ensino, pesquisa, extensão e gestão”.

     

    Por sua vez, o diretor de Desenvolvimento Acadêmico do Hospital da Unimontes, professor Cássio André de Souza Vieira, considerou que a aula inaugural do doutorado em Ciências da Saúde é um marco histórico da Unimontes. “Esta é uma semente que está sendo lançada num momento fértil da universidade”, afirmou Cássio André. As palavras dele foram reforçadas pelo pró-reitor de Pós-Graduação, professor Osmar Pereira Oliva, para quem o início do primeiro doutorado próprio da Unimontes representa “um sonho coletivo que está sendo transformado em realidade”. Ele lembrou ainda que, em breve, outros doutorados deverão ser criados na instituição.

     

    Doutorado com pesquisa

    O doutorado em Ciência da Saúde terá duração de dois anos, com aulas teóricas e práticas no Hospital Universitário Clemente de Faria, certificado como hospital de ensino pelo MEC. Os participantes também deverão desenvolver atividades de pesquisa em laboratório.

     

    O doutorado conta com três linhas de pesquisa nas áreas de 1) Saúde Coletiva (Avaliação de Programas e Serviços de Saúde; Educação na Formação e Atenção em Saúde); 2) Doenças Infecciosas e Parasitárias (Diagnóstico Clínico e Terapêutico em Doenças Infecciosas e Parasitárias; Leishmaniose e seus Vetores) e 3) Saúde Bucal (Patologia Bucal; Promoção e Epidemiologia em Saúde Bucal).