UEMS será representada em conferência mundial realizada nos EUA.

     

    O pesquisador da UEMS Luis Humberto Cunha representará a Universidade, nos Estados Unidos, durante uma conferência mundial sobre materiais luminescentes. O evento será realizado de 26 de junho a primeiro de julho na cidade de Ann Arbor, próxima a região dos grandes lagos, região norte dos EUA.

     

    A pesquisa desenvolvida em parceria entre estudiosos da UEMS, Universidade de Maringá (UEM) e Universidade Claude Bernard Lyon (França), tem repercutido intensamente nos países onde tem sido apresentada. O grupo de pesquisadores tem desenvolvido uma luz branca mais econômica, eficiente, sustentável do que as fluorescentes convencionais.

     

    As vantagens da nova luz que vem sendo desenvolvida não param por aí. Atualmente a pesquisa tem chamado a atenção do mundo por estar atenta às implicações que uma luminosidade artificial inadequada pode ter à saúde humana. “Há somente 100 anos a humanidade passou a trabalhar a maior parte do dia em ambientes fechados, iluminados artificialmente. Nosso organismo ainda não está adaptado a esta situação e os cientistas já têm se preocupado em desenvolver iluminações artificiais que não agridam a saúde”, explica Luis Humberto.

     

    Didaticamente o pesquisador exemplifica. “Nós estamos adaptados a respirar oxigênio, certo?! Agora imagine que, de repente, nós tenhamos que passar a respirar outro tipo de ar, produzido artificialmente. É natural que nossa saúde seja afetada por essa mudança. Diante disso é natural que nossa saúde possa sofrer algum dano provocado pela exposição excessiva a uma luz que nós, naturalmente, não estamos totalmente adaptados”, explica.

     

    Luis Humberto lembra ainda que essa preocupação sobre a relação entre exposição inadequada a luzes artificiais e saúde humana já chegou ao meio científico, mas está longe de alcançar o mercado. Fato que estimula ainda mais o desenvolvimento de pesquisas na área.

     

    Da UEMS para o mundo

    Não é a primeira vez que a pesquisa sobre a luz branca inteligente ganha repercussão internacional. Em 2009 os estudiosos apresentaram seus avanços na Alemanha, na cidade de Colônia. Em 2010 foi a vez da França conhecer o trabalho. Para 2011, além da conferência americana, um evento realizado no México também dará espaço a pesquisa desenvolvida na UEMS.