Universidade Estadual da Paraíba realizará palestra com embaixador Celso Amorim no dia 05 de agosto.

     

    A Universidade Estadual da Paraíba através da Coordenadoria de Assuntos Institucionais e Internacionais (CAII), Pró-reitoria de Pós-graduação e Pesquisa, curso de Relações Internacionais e Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais do Campus V, promoverá no dia 5 de agosto, às 17h, no auditório da Estação Ciência, em João Pessoa, a palestra “Balanço da política externa no governo Lula e desafios futuros”, a ser proferida pelo ex-ministro de Relações Internacionais Celso Amorim.

     

    O evento é voltado aos alunos e profissionais de Relações Internacionais, Direito e cursos das áreas de humanas e exatas que tenham relação com a temática da palestra. Ao todo, o evento já teve mais de 500 inscritos de universidades da Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Maranhão, dentre outros estados, o que corresponde ao número de vagas disponíveis no auditório da Estação Ciência, porém ainda estão sendo feitas inscrições para a lista de espera, por meio do endereço eletrônico relacoesinternacionais.blog.

     

    De acordo com o coordenador de Assuntos Institucionais e Internacionais da UEPB, professor Carlos Henrique Ruiz, a iniciativa de trazer à Paraíba o embaixador Celso Amorim foi pensada, em parte, devido à trajetória de destaque do ex-ministro de Relações Exteriores do Brasil. “O Celso Amorim desenvolveu um trabalho histórico iniciando uma política externa renovada no país e estabelecendo novos paradigmas na área. Além disso, é uma personalidade que dispensa apresentações e que tem adotado uma postura de fortalecimento das Relações Internacionais no Nordeste”, declarou o professor Carlos Henrique.

     

    Mais sobre Celso Amorim

    Graduado com honras como diplomata no Instituto Rio Branco em 1965, e pós-graduado em Relações Internacionais, em 1967, pela Academia Diplomática de Viena, Celso Amorim assumiu seu primeiro posto a serviço do governo na embaixada brasileira em Londres. Mesmo com sua formação para o serviço exterior, Amorim foi lembrado para assumir o cargo de ministro da Ciência e da Tecnologia, em 1987, função que desempenhou até 1989, quando nomeado diretor-geral para Assuntos Culturais no Ministério das Relações Exteriores, onde também seria diretor para Assuntos Econômicos.

     

    Em 1993 foi chamado pelo então ministro das Relações Exteriores José Aparecido para assumir o cargo de secretário geral do Itamaraty. Devido à doença que acometeria Aparecido durante seu mandato, Amorim assumiu o cargo de ministro interinamente e, em agosto desse mesmo ano, de forma definitiva, até o fim do Governo Franco.

     

    Durante o Governo FHC, Amorim chefiou as missões brasileiras na Organização das Nações Unidas (1995-1999) e na Organização Mundial do Comércio (1999-2000), quando foi transferido para assumir a embaixada no Reino Unido, cargo por ele ocupado até 2002, ano em que recebeu o convite pelo então presidente eleito Lula para assumir mais uma vez o Ministério das Relações Exteriores. Amorim permaneceria neste cargo até o final do segundo mandato de Lula, em 2010. Durante seus anos como ministro, Amorim chamou a atenção por seus posicionamentos em situações importantes, como a questão do gás boliviano, em 2006, e a crise diplomática entre Equador e Venezuela, de 2008, além de seu direcionamento humanista à política externa brasileira e das coalizões com países do hemisfério sul.