Reitora da UEPB assina convênio com Governo do Estado para melhorias em presídios de Campina Grande.

     

    Um Convênio de Mútua Cooperação Técnico-Pedagógica e Científica entre a Universidade Estadual da Paraíba e a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária foi assinado na tarde da última segunda-feira (15), nas instalações da Penitenciária Regional Padrão de Campina Grande, conhecida como Presídio do Serrotão. A reitora da UEPB, professora Marlene Alves Sousa Luna, e o secretário de Administração Penitenciária, Harrison Targino, que na ocasião representou o governador Ricardo Coutinho, foram os responsáveis pela assinatura do convênio.

     

    O intuito do Convênio é promover ações sócio-educativas nos presídios masculinos e femininos do município, através da construção de espaços específicos para diversas atividades. O documento prevê a construção de uma escola com oito salas de aulas, bibliotecas, berçário para os filhos das detentas, um salão multiuso, oficinas de aprendizagem, marcenaria, fábrica têxtil, fábrica para confecção de mochilas, um escritório modelo de Direito e um parlatório para audiências. Assim, a UEPB será a primeira universidade a construir um escritório modelo dentro do próprio presídio, uma iniciativa inovadora que proporcionará maior agilidade no andamento dos processos e facilidades na realização de audiências.

     

    A solenidade também contou com a presença de Maria Gricélia Pinheiro de Melo, representando o presidente da Federação das Indústrias do Estado da Paraíba (FIEP) Buega Gadelha; do juiz de Direito de Campina Grande, Fernando Brasilino Leite; da diretora regional de ensino de Campina Grande, Joselma Ferreira; do coronel José Cláudio do Nascimento; e da gerente executiva de Ressocialização do Estado, professora Ivanilda Gentle.

     

    “A UEPB vem viabilizar a realização das obras, disponibilizando recursos, além iniciativas de educação formal e profissional, pois ainda há uma grande preocupação em promover o retorno do preso à sociedade, devolvendo sua cidadania, humanização, relações interpessoais e a reinserção no mercado”, disse a gerente de Ressocialização do Estado, Ivanilda Gentle, que acrescentou: “Existe muita crítica e preconceito sobre o presidiário e sobre o que ele fez no passado, o que não facilita sua ressocialização. Agora, com as propostas de qualificação formal e profissional, estamos quebrando algumas barreiras”.

     

    Na opinião da reitora Marlene Alves, a UEPB pode contribuir com políticas públicas para reverter este quadro efetivamente. Deste pensamento deriva o empenho da Instituição em construir escolas e bibliotecas nos presídios - obras que já foram iniciadas com recursos da UEPB. Somente no presídio masculino do Serrotão, quase 400 apenados serão beneficiados com as iniciativas, bem como por meio de projetos em prol da saúde dos detentos, em parceria com os cursos de Odontologia, Enfermagem, Psicologia e Fisioterapia da UEPB.

     

    As atividades figuram como um vigoroso pontapé inicial da UEPB dentro dos presídios de Campina Grande - ações que funcionarão como um exemplo de solidariedade e amor ao próximo.

     

    O secretário de Administração Penitenciária, Harrison Targino, salientou os quatro pontos principais a serem trabalhados pelo Governo do Estado para reverter a situação dos presos na Paraíba: “Saúde, educação, trabalho e cultura. Estas são as prioridades. Nosso desafio é capacitá-los e fazer com que voltem ao convívio social de forma mais saudável, cidadã e decente”.