Proteção à criança: trabalhos da Unimontes selecionados para encontro em Portugal.

     

    Dois trabalhos da Universidade Estadual de Montes Claros foram selecionados para apresentação no IV Encontro Nacional sobre Maus Tratos, Negligência e Risco na Infância e na Adolescência, que será realizado nos dias 11 e 12 de Novembro próximos, no Fórum da Maia, na cidade de Santo Tirso (Portugal). Os trabalhos são de autoria das professoras Jussara Maria de Carvalho Guimarães (departamento de Métodos e Técnicas Educacionais) e Adriana Medalha Perez (departamento de Serviço Social).

     

    O encontro reunirá pesquisadores, professores e convidados de vários países como forma de refletir sobre o aumento do número de casos de maus tratos, negligência e risco na infância e na adolescência. Serão debatidas questões como: “direitos das crianças e jovens”, “abuso sexual, novos crimes contra crianças e jovens”, “avaliação forense e medicina legal na infância e adolescência” e a “institucionalização e adoção”.

     

    As duas representantes da Unimontes são convidadas do encontro juntamente com professores de três instituições dos Estados Unidos: Universidade de Loyola/Chicago; Universidade do Estado de Illinois e Universidade de Southern Maine. A iniciativa é da Associação de Solidariedade e Ação Social de Santo Tirso, com outros parceiros internacionais.

     

    OS TRABALHOS

     

    O primeiro trabalho de autoria das professoras Adriana Perez e Jussara Guimarães que foi selecionado para o evento em Portugal aborda a questão dos maus tratos a crianças e adolescentes: “A Banalização da Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes: Os castigos físicos como forma natural de educar”.

     

    “A história das crianças está permeada pela violência que pais perpetraram nestas, a fim de educá-las e discipliná-las. O tempo passou, as sociedades evoluíram do ponto de vista econômico, social e intelectual, mas o emprego dos castigos físicos em crianças não deixou de existir. São várias as crianças que todos os dias sofrem com o abuso de poder dos pais que lhes negam o direito de ser criança. A negação desse direito implica questionar o papel que a família possui dentro da sociedade”, diz o resumo do trabalho.

     

    O estudo teve como objetivo “analisar a cultura que entende a violência física contra crianças como forma eficiente de educação, identificando possibilidades de alteração do comportamento violento dos pais, utilizando para isso algumas teorias que norteiam este fenômeno”.

     

    POLÍTICAS PÚBLICAS

     

    Outro trabalho das professoras da Unimontes focaliza as políticas públicas voltadas para o combate à violência contra a infância e adolescência. O estudo foi desenvolvido através do Núcleo de Ensino, Pesquisa e Intervenção em Serviço Social – Nepiss sob o título: “A Construção, Revisão, Implantação e Implementação de Planos Municipais para Enfrentamento à Violência, Direito a Convivência Familiar e Comunitária e a Erradicação do Trabalho Infantil no Município de Montes Claros”.

     

    Conforme explica a professora Adriana Perez, foi estabelecida parceria com o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Montes Claros, visando a implementação dos planos para o “fortalecimento e a garantia da proteção integral dos direitos da criança e do adolescente”. Foram realizadas oficinas temáticas com a rede prestadora de serviços, diversas secretarias municipais, universidade, conselhos tutelar e de direitos, Ministério Público e Polícias Militar e Civil.

     

    A professora da Unimontes lembra que a mobilização de vários atores trouxe mais do que visibilidade para a causa. “Apontou caminhos possíveis para a proteção integral de crianças e adolescentes”, conclui.