Uneal celebra a memória do

     



    A Universidade Estadual de Alagoas - em parceria com a Secretaria de Estado da Mulher, da Cidadania e dos Direitos Humanos – iniciou em fevereiro deste ano, uma série de atividades para lembrar o “Quebra dos Xangôs de 1912”, evento que marcou a história de perseguição aos adeptos de religiões de matriz africana, em Alagoas.

     A programação teve início na Praça dos Martírios, em Maceió, mesma cidade que sediou os fatos hediondos contra a cultura negra há cem anos. O ponto alto da noite foi o pedido de perdão oficial do governo pelos fatos ocorridos no

    Quebra de Xangô. O pedido foi assinado pelo governador Teotonio Vilela Filho

    na Praça dos Martírios. Mãe Miriam, representante das comunidades religiosas, e o reitor da Uneal, Jairo Campos, acompanharam a assinatura do documento.

    Nomeado como “Xangô Rezado Alto”, o projeto foi financiado com recursos do Fundo Nacional de Cultura, Ministério da Cultura, com contrapartida financeira da Uneal. São parceiros do projeto: Universidade Federal de Alagoas, Centro de Ensino Superior de Maceió, Instituto de Terras e Reforma Agrária de Alagoas, Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas, Secretaria de Estado da Cultura de Alagoas, Secretaria de Estado da Educação, Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional/AL, BRASKEM, Comunidades Terreiro de Alagoas e Cojira/AL.

    Desde fevereiro, a Uneal realiza Congressos, Debates e eventos para relembrar o fato. Agora, a Instituição se volta para a última ação do projeto prevista para esse ano que é o “Seminário de Políticas Afirmativas para Comunidades Terreiro”, previsto para o mês de julho, com local a confirmar.