Teleminas Saúde: programa que tem a Unimontes como parceira chega a 1 milhão de atendimentos.

     

    O Programa Teleminas Saúde, que proporciona a realização de consultas e exames a distância através de sistema digital, chegou a milhão de atendimentos. Implantada pelo Governo de Minas – como sucessor do antigo Projeto Minas Telecárdio –, a iniciativa conta com a participação da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Dos 658 municípios atendidos pela iniciativa, 150 são da área de abrangência do polo da Unimontes no Norte e Noroeste de Minas e nos Vales do Mucuri e do Jequitinhonha.

    O atendimento de número 1 milhão do Teleminas Saúde, realizado às 11h08 dessa segunda-feira (20/8), foi prestado a uma mulher de 27 anos, moradora do município de Ubaí, no Norte de Minas. O exame digital foi avaliado pelo médico Fábio Mota Fernandes, que integra o polo do Hospital Universitário da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

    Conforme explica o professor André Pires Antunes, coordenador do polo do Teleminas Saúde na Unimontes, as unidades da atenção básica recebem um kit, com um computador e sistema de transmissão de dados digital, contando também com máquina fotográfica e impressora. Há dois meses, foi instalado um “ponto digital” do programa no Hospital Municipal Alpheu de Quadros, em Montes Claros.

    “O médico ou enfermeiro da unidade de atenção básica, através do sistema de transmissão de dados, envia o exame para um dos polos do programa. A partir daí, o especialista orienta como deve ser feita a conduta para o tratamento”, relata André Pires Antunes. “Quando se trata de casos de urgência, a resposta é dada de imediato. Em outros casos, o laudo do especialista é emitido dentro de, no máximo, uma hora”, completa o coordenador do programa no âmbito da Unimontes.

    Ele lembra ainda que, através da transmissão de fotos, é possibilitada a avaliação a distância de lesões e outros problemas como casos de doenças de pele.

    André Pires Antunes salienta que o Programa Teleminas Saúde proporcionou a redução de 70% dos custos com os deslocamentos, elevando a qualidade da atenção básica e beneficiando diretamente os moradores dos pequenos municípios. “Mas é difícil de mensurar todos os benefícios para a população. Muitas vidas já foram salvas graças à implantação do programa”, destaca o coordenador, lembrando que a iniciativa também diminui a superlotação dos serviços de saúde dos grandes centros.