Unesp: 40 anos e serviço à comunidade paulista

    Fonte: Prof. Paulo Cardim-UNESP

    A Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – Unesp – é singular em sua constituição, entre as suas congêneres paulistas.

    Instituída em 1976, a Unesp tem sua origem em faculdades isoladas, criadas nas décadas de 50 e 60 do século passado, a partir das tradicionais escolas de filosofia, ciências e letras. A formação de professores para o magistério na educação básica era a sua missão inicial. A excessiva fragmentação, com faculdades situadas em diversos municípios, inteiramente independentes, foi sendo substituída paulatinamente por uma gestão centralizada, e aos poucos democratizada, respeitando as características regionais.

    Em sua denominação, o governo estadual homenageia uma das personalidades mais emblemáticas do jornalismo paulista e brasileiro – Júlio César Ferreira de Mesquita Filho (1892-1969), filho de Júlio de Mesquita, fundador de O Estado de S. Paulo, um dos periódicos mais importantes da imprensa nacional.

    Ao longo desses últimos 40 anos, a Unesp foi diversificando a sua atuação, ao tempo em que fortalecia a pesquisa e a extensão, com expressiva folha de serviços às comunidades das regiões em que atua. Hoje, a Unesp está presente em 24 municípios paulistas, com 34 faculdades e institutos na Capital e no interior, abrangendo mais de 130 cursos de graduação e 230 de pós-graduação stricto sensu (mestrados e doutorados), com mais de 51 mil estudantes. A democratização e a interiorização do ensino, da pesquisa e da extensão, com qualidade, são características marcantes do perfil da Unesp. Essas funções universitárias estão contribuindo para reduzir as desigualdades regionais, com a formação de profissionais e pesquisadores presentes em postos estratégicos para o desenvolvimento socioeconômico do Estado e do País.

    A Unesp, a USP (Universidade de São Paulo) e a Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) são as três universidades mantidas pelo Estado de São Paulo, com repasses de, no máximo, 9,57% da receita do ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços). A Unesp, contudo, consome 94,47% de sua receita com pagamento de professores e demais profissionais da educação. Para complementar o financiamento de suas funções, na expansão e consolidação de suas unidades, a Unesp presta serviços e desenvolve pesquisas, mediante convênios e contratos, com o uso de seu expressivo capital intelectual. As universidades estatais paulistas estão entre as que mais produzem ciência e o registro de patentes no Brasil.

    A Unesp, nesses 40 anos, esteve sob a liderança de importantes professores de seus quadros. Na gestão de um deles – Arthur Roquete de Macedo (1993-1997) –, o primeiro de seus ex-alunos a disputar uma eleição para reitor, foi aprovado o Projeto de Desenvolvimento Qualitativo Integrado, que deu importante contribuição para o fortalecimento da universidade. Quando das comemorações dos 30 anos da Unesp, Arthur Roquete, partindo da convicção de que “a Unesp seria cada vez maior se fosse maior no todo”, afirmou:

    O nosso fim é dar um ensino de qualidade, é fazer uma pesquisa que contribua para o desenvolvimento da Nação, é fazer uma atividade de extensão que coloque a universidade aberta para a sociedade, essas são as atividades fins da universidade, para isso, na Unesp a parte de extensão tem uma característica distinta, pela amplitude e pela capilaridade da Unesp.

     

    A Unesp, em sua vitoriosa trajetória, democratizou e interiorizou as funções universitárias no Estado de São Paulo. A população paulistana, ao longo dos últimos 40 anos, recebeu e assimilou as ações positivas da Unesp, desenvolvidas por meio da pesquisa, da extensão e em cursos e programas de graduação e pós-graduação que confirmam o acerto de sua constituição, financiamento e existência.