Segunda-feira, 28, é último prazo para manifestação referente à Resolução 2/2015

    Posicionamento da Abruem sobre a carga horária das licenciaturas foi solicitado pelo próprio Conselho Estadual de Educação

    A Câmara Técnica de Pós-Graduação da Abruem (Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais) está fazendo um levantamento entre as 45 universidades afiliadas com o intuito de sistematizar as necessidades das instituições em relação a um ponto específico da Resolução n. 02/2015, do Conselho Nacional de Educação (CNE): o aumento da carga horária mínima dos cursos de licenciatura das atuais 2.800 para 3.200 como estipula o documento.

    O posicionamento da Associação sobre a questão é uma solicitação da presidente da Comissão de Formação de Professores do CNE, professora Malvina Tuttman. Ela apresentou o pedido em audiência com o presidente da Abruem, reitor Aldo Nelson Bona (Unicentro), realizada na primeira quinzena de outubro. “Na ocasião, eu disse a ela que levaríamos o questionamento para o Fórum de Reitores e que daríamos um retorno assim que tivéssemos um posicionamento institucional. Na nossa reunião em Ilhéus, decidimos que a Câmara Técnica de Graduação ficaria responsável por recolher o posicionamento de cada afiliada”, conta Aldo.

    O questionário elaborado pela CT de Graduação é composto por apenas três perguntas: 1. “em sua instituição será possível atender o prazo estabelecido (dezembro/2017)?”, tendo como possíveis respostas “sim” ou “não, o prazo deveria ser dezembro de 2018”; 2. “todos os cursos de licenciatura da sua IES terão que reformular os projetos político-pedagógicos para elaborar a carga-horário”, que tem como opção de resposta apenas “sim” ou “não”; e 3. “Em relação ao impacto de contratação de pessoal, é possível estimar a quantidade de docentes que serão   necessários   contratar   para   atender  o estipulado na Resolução?".