Governo de Minas libera recursos para centro de estudos da seca

     

    O Governo de Minas anunciou, oficialmente, a liberação de recursos da ordem de R$ 1 milhão para a implantação do Centro de Estudos para a Convivência Permanente com a Seca, que será gerenciado pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), em conjunto com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e o Instituto de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas (Idene) – vinculado à Secretaria de Estado Extraordinária do Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri e do Norte de Minas (Sedvan). O funcionamento da unidade contará, ainda, a participação de outras instituições de pesquisa estaduais e federais, entre as quais a UFMG e Epamig. A informação foi transmitida na última sexta-feira (29/02), pelo secretário de Estado de Governo, Danilo de Castro, ao participar da solenidade de abertura de reunião do Comitê Gestor da Crise com a Seca, realizada no auditório Mário Ribeiro da Silveira (prédio 6), do Campus Universitário Professor Darcy Ribeiro.
     
    “Resolver as questões que afligem o Norte de Minas e os Vales do Jequitinhonha e do Mucuri tem sido uma obsessão do governador Aécio Neves e sua equipe de trabalho. Por isso, consideramos a implantação desse centro como um marco na política pública de Minas Gerais”, enfatizou o secretário Danilo de Castro. Ele ressaltou que o projeto vai contar, ainda, com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), a partir das propostas técnicas que vierem a ser apresentadas.
     
    “As demandas são muitas e cada vez mais urgentes, mas as ações desenvolvidas no âmbito do Centro vão garantir, de forma efetiva e permanente, propostas inéditas e eficazes de combate aos efeitos da estiagem no semi-árido mineiro”, observou Danilo de Castro, enfatizando que “a escolha de instituições como a Unimontes é justificada pela capacidade dos mesmos de gerar e aplicar o conhecimento em prol da melhoria da qualidade de vida dos mineiros”.
     
    Competência - Para o reitor, professor Paulo César Gonçalves de Almeida, a participação da Unimontes no processo de implantação do Centro “representa o reconhecimento inequívoco da competência da comunidade acadêmica, que tem desenvolvido projetos de elevado alcance social e tecnológico em todas as áreas, voltados principalmente à transformação da realidade socioeconômica regional”.
     
    No caso específico do que considera “fenômeno climático permanente na região do Norte de Minas”, o professor Paulo César de Almeida destaca as pesquisas que vêm sendo realizadas no âmbito da Universidade como, por exemplo, na área de ciências biológicas, as vinculadas à rede internacional da mata seca; e, nas ciências agrárias, entre as diversas ações vivenciadas nos cursos de graduação de Agronomia e Zootecnia ou mesmo no mestrado em Produção Vegetal do Semi-Árido, têm sido examinadas alternativas mais adequadas para uso racional da água, plantio de espécies melhores adaptadas à estiagem e também resistentes às doenças e pragas, contemplando, desse modo, anseios de pequenos e médios produtores rurais.