Arranjo produtivo do Biodiesel é tema de encontro na Unimontes

     

    A partir desta quarta-feira (02/04), acontece na sede da Universidade Estadual de Montes Claros, o I Encontro do Arranjo Produtivo de Biodiesel do Norte de Minas, que prosseguirá até sexta-feira (04/04), numa promoção da Unimontes em parceria com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), Ministério da Ciência e Tecnologia e Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Com palestras, apresentações temáticas e plenárias, as atividades estarão concentradas no auditório Mário Ribeiro da Silveira - prédio 6 do Campus Universitário Professor Darcy Ribeiro -, tendo como público-alvo representantes de cooperativas e associações rurais, agricultores, empresários, pesquisadores, representantes de instituições de crédito e gestores públicos, inclusive de estados nordestinos (Bahia e Ceará), além do Paraná.
     
    A solenidade de abertura está prevista para esta quarta-feira, às 13h30, devendo ser presidida pelo vice-reitor da Unimontes, professor João dos Reis Canela, representando o reitor, professor Paulo César Gonçalves de Almeida; contando, ainda, coma presença do coordenador do Projeto de Arranjos Locais de Biocombustíveis em Minas Gerais (APL), Marcelo Franco, dentre outras autoridades e convidados.
     
    Um dos objetivos do evento é apresentar dois projetos desenvolvidos pelo Governo de Minas na área da bioenergia, com base em um diagnóstico preliminar sobre a estrutura da cadeia produtiva do biodiesel na região Norte do estado. Uma das iniciativas coordenadas pela Sectes é a Rede de Formação Profissional Orientada pelo Mercado (RFPOM), sendo a outra o Projeto Arranjos Produtivos Locais de Biocombustíveis (APLs) para o Norte de Minas. A proposta é de formar o “Bureau de Negócios do APL Biodiesel” para esta parte do Estado.
     
    Durante a reunião gerencial itinerante da Sectes, realizada no último dia 18, no campus-sede, o subsecretário de Ensino Superior de Minas Gerais, professor Octávio Elísio Alves de Brito, destacou o evento como “uma oportunidade ímpar para a discussão das políticas públicas e a apresentação dos trabalhos práticos desenvolvidos no âmbito regional na formação técnica na área da bioenergia, sendo a Unimontes uma parceria estratégica na capacitação pessoal”.
     
    A Universidade Estadual de Montes Claros desenvolve uma série de projetos de investigação científica com foco na produção do biodiesel, com atenção especial à agricultura familiar e à melhoria dos meios de produção de espécies nativas da caatinga e do cerrado. Para a pró-reitora de Pesquisa e Pós-Graduação, professora Silvia Nietsche, este encontro é de suma importância para a comunidade universitária, “na medida em que chama a sociedade, através das instituições constituídas, para a discussão de um grande negócio para o Norte de Minas”.
     
    Segundo ela, já inserida nos meios de produção, através de pesquisas no segmento, a Unimontes vai participar efetivamente “desta oportunidade de apresentar ao público as potencialidades de produção do biodiesel na região, assim também como das oportunidades para a formação de consórcios e parcerias para mais estudos nas áreas afins”.
     
    Macaúba – Durante o encontro, os pesquisadores da Unimontes estarão apresentando os resultados práticos da proposta de formação de cooperativas centralizadas, desenvolvidas em parceria com o Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas (CAA-NM). Em destaque, as pesquisas do curso de Ciências Biológicas sobre a produção, propagação e beneficiamento do coco macaúba, espécie de grande incidência no cerrado, cuja concentração de óleo chega a 45% (mais do que o dobro da soja). Nesse aspecto, os trabalhos coordenados pelo professor Leonardo Monteiro, do departamento de Biologia Geral, estão concentrados no Laboratório de Processamento Agroindustrial (germinação in vitro), no campus-sede, e na unidade do CAA-NM (Beneficiamento), na comunidade de Riachão.
     
    Outro estudo desenvolvido pela universidade diz respeito ao modelo de produção do biodiesel a partir do coco macaúba, em consonância com as demandas da agricultura familiar e a preservação ambiental. Desenvolvido pelo Laboratório de Extração de Óleos Vegetais da Unimontes, que conta com uma miniusina de produção, o projeto da professora Maria Olívia Mercadante visa à capacitação do produtor rural ao sistema produtivo da usina de Biodiesel da Petrobras, em Montes Claros, ainda em processo de implantação.
     
    Pinhão-manso - No campus de Janaúba, no qual são ministrados os cursos de Agronomia e Zootecnia, a Unimontes desenvolve, ainda, outras quatro pesquisas associadas às matérias-primas para a produção do biodiesel em escala. As professoras Maria Aparecida Faria e Márcia Regina Costa coordenam dois projetos associados à produção de sementes de qualidade e ao melhoramento genético do pinhão manso e da mamona, matérias-primas para o biodiesel. Outra produção científica é de autoria da professora Eleuza Junqueira de Sales, sobre a qualidade fisiológica e produção de óleo de sementes de diferentes espécies de girassol no semi-árido mineiro.
     
    Mais dois projetos associados ao biocombustível, coordenados por professores do departamento de Biologia Geral, são desenvolvidos no campus-sede: “Definição de parâmetros físico-químicos e bioquímicos para a seleção de acessos de pinhão-manso (Jatropha Curca L.) destinados à produção de bioenergia”, do professor Roberto Ananias Ribeiro; e “Avaliação sanitária e fisiológica de mudas de pinhão manso (Jatropha Curca L.) desenvolvidas a partir de sementes obtidas de diferentes acessos e tratadas com agentes químicos e biológicos", do professor Sérgio Avelino Mota Nobre.