UEPG participa de encontro de avaliação do Pró-Letramento

     

    As professoras Neide Keiko Krachychyn Cappelletti e Sandra do Rocio Ferreira Leal do Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino, da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) participam nesta terça e quarta-feira, dias 29 e 30, em Brasília do encontro de avaliação do Pró-Letramento - Programa de Formação Continuada de Professores das Séries Iniciais do Ensino Fundamental. Elas participam do encontro como representantes do Centro de Formação Continuada, Desenvolvimento de Tecnologia e Prestação de Serviços para as Redes Públicas de Ensino – Cefortec da UEPG. Vinculada à Rede Nacional de Formação Continuada de Professores da Educação Básica, a UEPG, através do Cefortec, desenvolve no âmbito do programa o trabalho de formação de professores na área da Alfabetização e Linguagem.

    Ao longo do encontro o Ministério da Educação e as universidades que integram a rede de formação continuada de professores vão avaliar o programa Pró-Letramento e discutir estratégias para a sua ampliação. Presente em 19 estados e com a proposta de ampliação aos demais, a partir de agosto de 2008, o programa já certificou 59 mil professores de 1ª a 4ª série do ensino fundamental, em alfabetização e linguagem e em matemática. Em Brasília, o encontro reúne os responsáveis pelos centros de dez universidades que oferecem formação nessas áreas – as universidades federais de Minas Gerais (UFMG), de Pernambuco (UFPE), de Brasília (UnB), do Espírito Santo (UFES), do Rio de Janeiro (UFRJ) e do Pará (UFPA); e a particular Unisinos (RS); e as estaduais de Campinas (Unicamp), Paulista (Unesp) e do Paraná (UEPG). No encontro, a Secretaria de Educação Básica (SEB/MEC) vai apresentar à rede de universidades o programa Gestar 2, que oferece formação continuada em língua portuguesa e matemática, a professores que trabalham da 5ª a 8ª série do ensino fundamental.

    Lançado em março de 2005, o Pró-Letramento, em sua ação de dar qualidade à educação básica, certificou 59 mil professores e outros 120 mil estão em formação. Dedicado a professores dos anos iniciais do ensino fundamental, o programa consta de 120 horas de curso, distribuídas em 84 horas de atividades presenciais e 36 horas de estudos e pesquisas individuais. Vinculados a um sistema municipal de ensino, os professores são acompanhados por tutores das universidades parceiras do projeto. O MEC repassa recursos às instituições de ensino superior para custeio da bolsa de tutores e produção de materiais para uso dos professores em formação. A universidade participante da rede avalia o aproveitamento e certifica o professor. O Pró-Letramento surge como uma ação para subsidiar os professores em seu trabalho nas questões relativas ao uso da língua oral e da língua escrita.