Unimontes registra 6,4 mil exames através do 'Minas Telecárdio'

     

    O projeto ‘Minas Telecárdio’, desenvolvido pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) em parceria com o Governo de Minas (Secretaria de Saúde e Fapemig) e com outras instituições de ensino superior do Estado, com o apoio dos Ministérios de Ciência e Tecnologia (Finep) e da Saúde, vem proporcionando melhoria significativa na assistência à saúde da população dos pequenos municípios do Norte de Minas.
     
    Entre julho de 2006, quando o serviço foi implantado, até fevereiro último, foram realizados 6,4 mil eletrocardiogramas, atendendo 15 municípios com até 10 mil habitantes. Em todo o Estado (82 municípios), foram realizados 49.925 exames.
     
    “Este primeiro relatório oferece um dado muito importante: graças ao projeto, os pequenos municípios obtiveram redução de até 70% no encaminhamento de pacientes para a realização dos exames nas cidades de maior porte”, afirma o coordenador do pólo do “Minas Telecárdio” no âmbito da Unimontes, professor André Pires Antunes, do Departamento de Clínica Médica, vinculado ao Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS).
     
    A Unimontes participa do ‘Minas Telecárdio’ ao lado das Universidades Federais de Minas Gerais (UFMG), de Uberlândia (UFU), do Triângulo Mineiro (UFTM) e de Juiz de Fora (UFJF). O projeto envolve investimentos da ordem de R$ 2,3 milhões, do Governo de Minas - viabilizados através da Fapemig e da Secretaria de Estado de Saúde – e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), do Ministério da Ciência e Tecnologia.
     
    O projeto propõe um modelo inovador, com o uso da rede mundial de computadores (‘internet’) na prevenção e tratamento das doenças cardiológicas. Cada uma das 82 cidades atendidas conta com um computador e um aparelho de eletrocardiograma. O ‘Minas Telecárdio’ funciona da seguinte maneira: os exames feitos nas cidades cadastradas são encaminhados via ‘internet’ para um especialista na central de plantão (24 horas, de segunda à sexta-feira). O plantonista, após análise dos exames, faz o diagnóstico e – também pela ‘internet’ – orienta o profissional da assistência à atenção básica à saúde sobre os procedimentos a serem adotados.
     
    O pólo sob a responsabilidade da Unimontes funciona no Hospital Universitário Clemente de Faria (HUCF), onde são concentrados todos os dados dos exames realizados nas unidades da atenção básica nos 15 municípios do Norte do Estado inseridos no projeto. “Os resultados obtidos até agora são muito positivos. Acreditamos que a tendência é do aumento do número de atendimentos pela telemedicina, à medida que os profissionais, como médicos e enfermeiros, se habituarem ao uso do computador para consultas junto aos especialistas”, afirma o professor André Pires Antunes.
     
    Ele lembra que o Ministério da Saúde criou, em nível nacional, o ‘Telesaúde’, um sistema de transmissão de dados sobre exames pela ‘internet’ voltado para a melhoria da atenção básica. Ainda conforme André Antunes, o Governo do Estado também pretende usar a experiência do ‘Minas Telecárdio’ para implantar um programa semelhante, de forma mais abrangente, que venha atender as diversas regiões mineiras, priorizando o Norte de Minas e o Vale do Jequitinhonha.
     
    Números de atendimentos – Os municípios incluídos no ‘Minas Telecárdio’ vinculados ao Pólo da Unimontes e os respectivos números de atendimentos realizados entre julho/2006 e fevereiro/2008 são os seguintes: Botumirim (325), Claro dos Poções (452), Francisco Dumont (284), Fruta de Leite (330), Glaucilândia (57), Guaraciama (107), Itacambira (70), Joaquim Felício (137), Mamonas (100), Nova Porteirinha (208), Olhos D´Água (312), Padre Carvalho (201), Pai Pedro (138), Vargem Grande (235) e Verdelândia (194).