UEPG apresenta Pró-Letramento no Encontro PDE em Brasília.

     

        “O PDE alcança questões que somente podem ser percebidas por pessoas comprometidas e sensíveis à idéia de que a educação é um direito do povo e um dever do Estado”, disse o reitor da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e presidente da Associação Brasileira de Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (Abruem) durante a sua participação no “Encontro PDE: visão institucional” organizado pelo Ministério da Educação (MEC), nos dias 28 e 29 de julho, no Hotel Academia Tênis Resort, em Brasília (DF). No âmbito da educação, João Carlos Gomes destaca o importante papel das universidades públicas estaduais e municipais que são responsáveis pela interiorização do ensino superior. Para ele, trata-se de uma ação que responde à preocupação destacada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante o lançamento do PDE, quando salientou a urgência da universidade abrir a porta para o povo transformar o Brasil no país mais democrático no acesso ao ensino superior.

       Na programação do encontro, os participantes envolveram-se com discussões acerca do regime de colaboração, dos arranjos educativos e dos mecanismos de consolidação das metas instituídas no Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), através de uma visão crítica e qualificada.  O evento permitiu o debate de temas relacionados à política de qualificação profissional, relação entre instituições e sistemas de ensino, alfabetização de jovens e adultos, alfabetização de crianças, Brasil Alfabetizado, execução de planos de ações articuladas e relatos de experiências com projetos educacionais. A UEPG marcou presença no evento com o tema “Pró-Letramento – Programa de Formação Continuada de Professores das Séries Iniciais do Ensino Fundamental” que teve apresentação das professoras Sandra do Rocio Ferreira Leal, coordenadora do Pró-Letramento, e Neide Keiko Kravchychyn Cappelletti, coordenadora da Educação Infantil, do Centro de Formação Continuada, Desenvolvimento de Tecnologia e Prestação de Serviços para as Redes Públicas de Ensino (Cefortec).

     

    Formação e Práticas Pedagógicas

         A presença das professoras na programação do “Encontro PDE: visão institucional” permitiu a divulgação da UEPG como participante do grupo de universidades brasileiras que compõe a rede nacional de formação continuada, um dos mais ousados e importantes projetos do MEC na execução de uma política de valorização da formação continuada dos profissionais da educação. A professora  Neide Keiko Cappelleti destacou, na oportunidade, que a UEPG há muito caminha na direção de consolidar uma prática de formação inicial e continuada, presencial e a distância, que também reconhece na educação o processo capaz de oportunizar a construção de um profissional mais autônomo, reflexivo e comprometido com seus princípios e com as necessidades de sua comunidade educacional. Ela ressalta a qualidade do trabalho da UEPG na área, que teve projeto selecionado como um dos 20 melhores no Edital SEF/MEC (2003) entre os 156 projetos encaminhados. O edital permitiu a criação do CEFORTEC na UEPG que, hoje, apresenta-se como um dos 20 Centros da Rede Nacional de Formação Continuada do MEC, especificamente um dos cinco centros voltados para Alfabetização e Linguagem.

        Referindo-se a importância das ações do Cefortec, Neide Cappelleti explica que, no projeto do MEC, a UEPG tem como parceiras as universidades estaduais do Oeste Paranaense (Unioeste), e de Londrina (UEL), bem como a Universidade Federal do Paraná (UFPr). “O Cefortec estruturou-se como um canal aberto para as diferentes realidades dos professores que, na ponta mais extrema dos planos e políticas lançadas por governos, dentro das escolas, executam, enfrentam e transformam a realidade de milhares de crianças brasileiras”. Falando do Pró-Letramento, a professora Neide Cappeletti observa que o Centro de Alfabetização e Linguagem da UEPG iniciou a execução desse programa com a primeira semana de formação, em março de 2006, na Bahia. Em abril de 2006, o programa atendeu a Santa Catarina e em outubro começou em Alagoas. Em Rondônia, o programa iniciou em outubro de 2007. Como assinala Neide Cappelletti, além da preocupação com a formação pedagógica dos professores tutores e cursistas, o Centro de Alfabetização e Linguagem da UEPG investe na valorização e incentivo do registro das práticas pedagógicas desenvolvidas nas séries iniciais e na socialização dessas práticas em nível local e nacional.

     

     

               

               UEPG apresenta Pró-Letramento no                          Público presente ao Encontro PDE.

                       Encontro PDE em Brasília.