Unicamp destaca ações do Proesf no 'Encontro PDE'

     

        As ações do curso de Pedagogia para professores em exercício na educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental da região metropolitana de São Paulo (Proesf) ganharam destaque na programação do “Encontro PDE: visão institucional” realizado no Hotel Academia Tênis Resort, em Brasília (DF), nos dias 28, 29 e 30 de julho. Representando a Abruem no evento, a professora-doutora Ângela Fátima Soligo, coordenadora do curso de Pedagogia da Faculdade de Educação da Unicamp, iniciou a sua palestra assinalando os elementos do Proesf que guardam coerência com o Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), a partir do seu caráter de formação inicial e continuada, articulação entre a Universidade Pública e as Secretarias de Educação dos Municípios e a Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia, relação teoria-prática e a presença do professor como produtor de conhecimentos.

       Com mestrado e doutorado pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Ângela Soligo considerou que, entre as características do Proesf, há que se destacar o seu caráter presencial e ao mesmo tempo inovador, na medida em que a organização curricular tem como norte o cotidiano da escola e da sala de aula. “É a partir desse contexto que se desenvolvem as reflexões teóricas; e o estágio, em serviço, componente sempre presente dos conteúdos disciplinares”. A professora Ângela Soligo salientou, ainda, outros componentes curriculares, a exemplo das atividades culturais que visam ampliar os horizontes dos alunos/professores e aproximá-los dos grandes debates contemporâneos da educação; e o Memorial de Formação para o Trabalho de Conclusão de Curso, em que o aluno/professor revê e reconstrói  sua trajetória pessoal, profissional e de formação. Neste último, ela observa a oportunidade para reflexão sobre os elementos constitutivos dessa trajetória a partir de interlocutores teóricos. Destacando a importância desses componentes, Ângela observa que os processos de ressignificação e mudança das práticas pedagógicas são constitutivos necessários dos memoriais.

        Na sua apresentação, Ângela Soligo assinalou a atuação dos assistentes pedagógicos do programa, que, optando, por um modelo alternativo à tutoria, selecionou professores das redes conveniadas, com formação em Pedagogia, que cursaram por seis meses um  Programa de Especialização em tempo integral na Unicamp. Segundo ela, a partir da conclusão dessa etapa, passaram, sob supervisão e acompanhamento constante dos docentes da Faculdade de Educação da Unicamp, a atuar como professores nas disciplinas do curso. A professora Ângela explicou que, como professores das redes, plenos de uma vivência atual do cotidiano das escolas , os assistentes pedagógicos foram mediadores privilegiados no processo de formação dos professores/alunos do Proesf. Também frisou que o Proesf tem produzido reflexos importantes nas escolas, que apontam para a melhoria da qualidade da educação de crianças de 0 a 10 anos, conforme apreciação dos Secretários Municipais de Educação da RMC.

      

    História do Curso

        Resultado do compromisso social da Faculdade de Educação e da Unicamp, o Proesf foi criado para possibilitar a formação de professores da rede pública em resposta à exigência prevista na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). A Lei exige a formação superior para os professores da educação infantil e das séries iniciais do ensino fundamental. Considerado um programa de grande alcance social, o Proesf iniciou suas atividades na gestão de Hermano Tavares, ex-reitor da Unicamp, como resultado do esforço da instituição, através da Faculdade de Educação e das secretarias municipais da área. Quando o Proesf começou a ser gestado, em 2001, era grande o número de profissionais das redes municipais que tinham como formação apenas o antigo magistério, de nível secundário. Naquela época, somente Campinas apresentava 400 educadores sem curso superior, em sua rede de educação infantil e ensino fundamental.