Reitores e pró-reitores das Universidades filiadas à Abruem participam de encontro em Brasília.

     

       Reitores e pró-reitores de graduação, extensão, pesquisa e pós-graduação marcam presença nesta quarta-feira, dia 27, na programação do “Painel de Oportunidades nas Políticas Públicas do MEC para as Universidades Públicas Estaduais e Municipais” que se desenvolve numa realização conjunta da Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (Abruem) e o Ministério da Educação (MEC), na Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos - Finatec/Universidade de Brasília, Campus Darcy Ribeiro (Av. L3 Norte – Ed. Finatec – Asa Norte), em Brasília (DF), das 8h às 18h.  Com a presença do ministro da Educação, Fernand Haddad, acompanhado de seus secretários de Ensino Superior; Educação a Distância; Educação Profissional e Tecnológica; e do presidente da Capes, o Painel abre espaços de discussões sobre as possibilidades de ampliação da participação das universidades públicas estaduais e municipais nos programas e editais do MEC.

       Referindo-se à importância do Painel, João Carlos Gomes, presidente da Abruem e reitor da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), assinala que se trata de um espaço significativo para a entidade fortalecer e consolidar parcerias com o MEC, através de seus programas e editais. No pronunciamento de abertura do evento (das 9h às 9h15), João Carlos Gomes destaca a participação das universidades estaduais e municipais na interiorização do ensino superior. “Nós, reitores das universidades filiadas a Abruem, temos que fazer da nossa união em torno de objetivos comuns o caminho para mostrar a força de nossas instituições no cenário do ensino superior brasileiro”. Para João Carlos Gomes, o Painel vai permitir que a Abruem apresente metas, a exemplo da maior participação da entidade em programas do Governo Federal; participação em todos os editais dos órgãos federais de apoio a pesquisas e investimentos nas IES públicas brasileiras; e eliminação de contra-partidas com recursos financeiros para receber recursos federais, através de emendas parlamentares, editais de órgãos de fomento e programas do governo. Logo após a abertura do evento o ministro da Educação Fernando Haddad profere palestra sobre as políticas públicas do MEC (9h15 às 10h).

     

    Potencial das IES Públicas

       Na área de extensão, as reivindicações da Abruem envolvem a criação de um Fundo Nacional de Extensão – política contínua de apoio à área; maior participação das IES estaduais e municipais nos recursos do MEC para programas de extensão; e apoio na renovação da frota de veículos da extensão (editais) e veículos/laboratório das atividades extensionistas. Durante o evento, João Carlos Gomes registra o potencial das IES públicas brasileiras, destacando dados do corpo docente das universidades – graduados 3.100 (7%), especialistas 9.730 (22%), mestres 14.103 (32%), doutores 17.543 (39%), totalizando 44.476 professores. Também enfatiza os números da graduação – cursos (2.294), alunos (758 mil), além de dados administrativos – técnicos administrativos (68.579), hospitais universitários (29), hospitais veterinários (16) e estruturas odontológicas (76). Utilizando-se de dados divulgados pela Capes em julho de 2008, o Presidente da Abruem assinala os programas de pós-graduação stricto-sensu das IES públicas – mestrados acadêmicos (533), mestrados profissionalizantes (37), doutorados (344) e alunos (60.354).

       A contribuição das IES públicas ganha destaque, ainda, no Pró-Licenciatura – Programa de Formação Inicial para Professores em Exercício no Ensino Fundamental e no Ensino Médio (Fases I e II). No programa, há a participação de nove estados e 17 universidades estaduais – Paraná (3.590 vagas), Rio de Janeiro (1.355), Bahia (390),Mato Grosso do Sul (155), Paraíba (540), Pernambuco (1.080), Mato Grosso (315), Pará (300), e Santa Catarina (125), totalizando 7.850 vagas. Outra participação importante ocorre na Universidade Aberta do Brasil – UAB (Fases I e II) com espaços em 13 estados e participação de 17 IES estaduais. São 62 cursos de graduação, pós-graduação e de aperfeiçoamento, distribuídos em 175 pólos, somando 17.365 alunos. Na Universidade Aberta do Brasil, a participação em número de vagas aponta: federais com 16.660 (55,14%) e estaduais com 13.555 (44,86%). Nos programas e projetos de Extensão/MEC (2003-2008), há a participação das IFES – R$ 34.943.000,00 (85%) e das IES Estaduais – R$ 5.245.900,00 (15%).

     

    Abaixo segue a programação preliminar do Painel de Oportunidades: