Estudo aborda efeitos do uso de agrotóxicos.

     

     

        O uso indiscriminado de agrotóxicos pode afetar tanto a saúde dos trabalhadores rurais quanto o meio ambiente. Em Campos, o problema é particularmente preocupante nas áreas de reforma agrária, devido à falta de informação. O tema foi abordado em 22/09, pela professora Maria Cristina Canela, do Laboratório de Ciências Químicas (LCQUI) da Uenf, durante o seminário intitulado “Comportamento de pesticidas em águas naturais e riscos de contaminação de águas subterrâneas”, às 17h, no Auditório 2 do P4.

     

        Este tema é objeto de estudo do projeto de pesquisa “Monitoramento do uso de agrotóxicos no Norte Fluminense e a avaliação de seus impactos em ambientes aquáticos e águas subterrâneas”, coordenado por Maria Cristina — um dos 43 projetos da Uenf contemplados no Edital de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (DCTR), lançado recentemente pela Faperj para instituições situadas fora da área metropolitana do Estado. No total, foram selecionados 67 projetos em todo o Estado.

     

        — O objetivo do projeto é realizar um diagnóstico da contaminação de agrotóxicos no assentamento Zumbi dos Palmares, em águas de poços consumidas pela população e em águas superficiais — explica a professora, acrescentando que serão ainda analisados parâmetros importantes na qualidade da água potável, como coliformes termotolerantes e fósforo total, entre outros testes para verificar a toxicidade de compostos organofosforados no meio.

       

         Também faz parte dos objetivos do projeto analisar o risco de contaminação do ambiente através do levantamento dos compostos utilizados pelos agricultores locais. Será estudado, por exemplo, o destino do pesticida paration metílico (formulado Folisuper®) em ambientes aquáticos. Neste caso serão estudadas, entre outras coisas, as transformações químicas e fotoquímicas do composto na presença de ácidos húmicos e diferentes valores de pH.

       

        A Uenf também integra o projeto “Ações prioritárias para o manejo e controle ambiental de agrotóxicos na região da microbacia do Vale do Córrego de São Lourenço, município de Nova Friburgo, Estado do Rio de Janeiro: Uma estratégia para o mapeamento de áreas relevantes para a economia da região”, através do LCQUI e do Laboratório de Estudos do Espaço Antrópico (Leea), do Centro de Ciências do Homem (CCH) da Uenf.

      

        Além da Uenf, integram o projeto a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (Puc-Rio), a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), e a Empresa de Pesquisas Agropecuárias do Estado do Rio de Janeiro (Pesagro).

       

        Financiado pela Faperj, o projeto de pesquisa contempla temas relacionados às áreas de saúde (saúde do trabalhador), desenvolvimento sustentável (poluição ambiental e Bacias hidrográficas) e educação, considerados prioritários para o Estado. As pesquisas são focadas principalmente no setor da agroindústria, em áreas relevantes e estratégicas para o Estado do Rio de Janeiro, como a área de meio ambiente e de comércio, de forma a contribuir de maneira efetiva para o desenvolvimento socioeconômico do Estado do Rio de Janeiro