Programa de desenvolvimento sustentável para o biodiesel terá participação da Unimontes.

    A Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) será uma das instituições atuantes no Programa de Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS) para o Norte de Minas, a ser implantado pelo Banco do Brasil como incentivo e melhoramento da cadeia produtiva do biodiesel. O acordo foi oficializado no início da tarde desta sexta-feira (28), através de assinatura do termo de compromisso, durante reunião coordenada pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes) sobre “Projeto Estruturador Arranjos Produtivos Locais (APLs)”.

     

    O evento, no Bloco C do Núcleo de Ciências Agrárias da UFMG, reuniu lideranças do setor agrícola na região, professores, pesquisadores e produtores rurais. O tema é de grande importância para o Norte de Minas tendo em vista que, em janeiro próximo, a Petrobras vai inaugurar em Montes Claros a usina para a produção de biodiesel, com a previsão de beneficiar culturas de 20 mil famílias da região.

     

    Implantado pelo Banco do Brasil há sete anos, o programa tem como meta promover ações específicas de apoio à produção agrícola. Aliada a parceiros estratégicos como universidades e órgãos governamentais, a instituição bancária incentiva a capacitação, treinamento e pesquisas das cooperativas, entidades de apoio e de pequenos e médios produtores que têm acesso às suas linhas de crédito.

     

    No caso específico do Norte de Minas, estarão envolvidas instituições como a Emater, Epamig, Petrobras e Codevasf, além da Unimontes, UFMG e Universidade Federal de Viçosa, sendo contempladas pessoas que pretendem investir no cultivo de espécies relacionadas como matérias-primas do biodiesel.

     

    ATENDIMENTO ÁS DEMANDAS - A inserção da Unimontes nas ações do DRS é destacada pela pró-reitora de Pesquisa e Pós-Graduação, professora Sílvia Nietsche, assinalando, ainda, que “a cadeia produtiva do biodiesel no Norte de Minas está em formação, sendo indispensável, no momento, detectar as demandas dos produtores regionais para se estabelecer os processos mais práticos e eficazes para as culturas das oleaginosas”.

     

    Ela lembra que a Universidade Estadual de Montes Claros já conhece a realidade regional, pois têm sido desenvolvidas várias linhas de estudo para o biodiesel, tanto no campus-sede como no campus de Janaúba (no qual são oferecidos os cursos de graduação e mestrado nas áreas da Agronomia e Zootecnia). Nessas pesquisas, entre outros aspectos, são analisadas espécies que servem de matéria-prima para a produção de óleos vegetais, como o pinhão-manso, coco macaúba e babaçu.

     

              Segundo o professor Emille Rocha Prata, do departamento de Biologia Geral – vinculado ao Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS) da Unimontes -, “no primeiro momento, as ações conjuntas vão adequar o ambiente para que a cultura de oleaginosas seja permanente no Norte de Minas”. Para isso, observa Prata, “serão ofertados treinamentos, capacitações e outros estudos sobre técnicas de plantio, tratos culturais, armazenamento de sementes e cuidados fitossanitários, dentre outros”.