Unoesc, Prefeituras e Governo projetam mutirão para o desenvolvimento regional.

         Numa iniciativa da Unoesc, os prefeitos, vice-prefeitos, vereadores, secretários de desenvolvimento regional e lideranças políticas da Ameosc e Amerios se reuniram, na última semana, no Auditório do Campus de São Miguel do Oeste para debater o futuro da região Extremo Oeste. Segundo o vice-reitor do Campus, professor Vitor Carlos D'Agostini, o encontro teve como objetivo apresentar aos prefeitos as diversas formas que a Unoesc pode auxiliar na solução de problemas regionais. Uma das alternativas apontadas no encontro é a consolidação de parcerias entre os municípios para o desenvolvimento de projetos junto à universidade.

        

         Entre os exemplos citados de parcerias já estabelecidas com municípios catarinenses e gaúchos está a elaboração do Plano Diretor. Esse instrumento aponta para onde o município crescerá e quais as regras estabelecidas, que vão desde ruas, altura de prédios e instalação de indústrias, por exemplo. São Miguel do Oeste é o caso mais recente em que a Unoesc colabora não só na confecção, mas em todos os passos do Plano Diretor, que vai do estudo às audiências públicas e entrega do documento oficial. “Temos equipes multidisciplinares, com professores especializados em áreas como as engenharias, arquitetura, direito, agronomia e administração, que utilizam todo o conhecimento acadêmico e prático para a elaboração de projetos que visam buscar soluções às demandas locais e regionais ”, salienta D'Agostini.

         O reitor da Unoesc, professor Aristides Cimadon, falou às lideranças sobre os diversos campos de atuação da universidade. Ele citou atividades como a capacitação de professores em cursos de extensão, convênios para a realização de pesquisas em áreas como alimentos, elaboração de projetos, entre outros.

         Conforme Cimadon, pelas intervenções e questionamentos dos políticos, observa-se uma certa ansiedade, principalmente dos novos gestores, em buscar parceiros de qualidade para resolver uma série de problemas que acabam travando o desenvolvimento humano, econômico e social dessas comunidades. “Problemas, principalmente, de exigência de lei e que estão se tornando gargalos para as cidades. A Unoesc não quer a exploração dos valores em seus projetos. Temos o objetivo de fazer um bom serviço a custos reais e que são viáveis e mais em conta para os municípios”, enfatiza.

         Avaliação - Para o secretário do Desenvolvimento Regional de Itapiranga, Jorge Welter, o convite da universidade para o debate entre os municípios é importante, já que a Unoesc acaba retribuindo com que tem de melhor, que é a produção do conhecimento. “Um trabalho que eu considero como necessário, útil e urgente para a nossa região”.

         O prefeito de Guaraciaba, Ademir Zimmermann, ex-acadêmico da Unoesc, destaca que em muitas pesquisas já realizadas pelos estudantes nos Trabalhos de Conclusão de Curso/TCC's já existem indicadores importantes para os municípios. “Para muitas questões pontuais de nossos municípios, talvez a resposta já esteja num desses TCC's. Essa forma de integrar o que é produzido de forma científica, é de suma importância no incremento de ações em vários projetos”, frisa. “É preciso também uma iniciativa dos prefeitos de estar buscando esses números, para implementar as ações de forma concreta e prática”, completa.

         De acordo com o prefeito de São José do Cedro, Renato Broetto, do ponto de vista prático, há uma necessidade de qualificação profissional, para atender à rotina de uma prefeitura. “A universidade pode contribuir para superarmos essa demanda que existe em todos os setores públicos, que vai desde a telefonista até o gestor público. Esperamos que os resultados comecem a aparecer com participação efetiva da Unoesc nesta questão”, diz.

         A parceria com a Unoesc é vista como uma oportunidade para o prefeito de Anchieta, Antônio Luiz Mariani. “Municípios pequenos, como o nosso, que têm receita reduzida, eu vejo com bons olhos o fato de a Unoesc estar prestando serviços, sobretudo na elaboração dos Planos, que estão exigindo urgência e rapidez, para conseguir os recursos, principalmente na Funasa, recursos que acabam ficando por lá pela falta de projetos dos municípios. Podemos, em parceria com a universidade, buscar ações, inclusive para a melhoria do desenvolvimento humano”, revela.

        O secretário do Desenvolvimento Regional de Palmitos, Manfred Rutzen, considera que a consolidação de uma parceria dos municípios e do Estado com a Unoesc resultará em muitos benefícios à região,“principalmente na capacitação de servidores, melhoria e elaboração de muitos planos e projetos, que possam facilitar o dia-a-dia dos gestores públicos”, destaca.

         Para o presidente da Ameosc e prefeito de São Miguel do Oeste, Nelson Foss da Silva, os contatos realizados com a direção da Unoesc já evoluíram do ponto de vista do diálogo. “Agora precisamos transformar em avanços concretos e práticos. Eu creio que o grande desafio do administrador é otimizar os escassos recursos que existem. Nós teríamos que ter, hoje, um percentual de 15% a 20% para investimento, enquanto que a maioria das prefeituras tem entre 5% e 7% da arrecadação. A criatividade, neste momento é que vai fazer a diferença. E tudo aquilo que, conjuntamente, conseguirmos fazer e facilitará na diminução custos, deve ser implementado”, projeta.