Projeto da Unisul é destaque em congresso no Uruguai.

    O professor Juarez Bento da Silva, coordenador do RExLab Unisul, apresentou o projeto de Experimentação Remota no Congresso.

     

    O projeto da Unisul “Experimentação Remota como apoio ao processo de ensino-aprendizagem de física no Ensino Médio”, cuja ideia é um laboratório acionado remotamente através da tela do computador, foi um dos destaques       do congresso “Investigaciones em Tecnologias de la Información e Comunicación e Políticas Públicas em América Latina e el Caribe”.  O evento, organizado pelo FRIDA (Fondo Regional para la Innovación Digital em América Latina y El Caribe), aconteceu nos dias 22 e 23 de abril no hotel: “Four Points by Sheraton”, em Montevidéu, no Uruguai.

    O professor Juarez Bento da Silva, da Unisul de Araranguá, foi convidado pelo FRIDA, patrocinador do projeto, para falar em mesa redonda. “O objetivo era trocar experiências com os demais participantes do encontro”, disse Juarez.

    O projeto da Unisul foi classificado como “investigaciones exitosas financiadas por FRIDA” e foi considerado como exemplo a ser seguido na área da tecnologia. Isso fez com que a universidade fosse citada diversas vezes ao longo do evento. “Foi uma grande satisfação ouvir do dirigente máximo do FRIDA que o nosso projeto era exitoso, pois além da tecnologia, o programa tem o foco voltado para a educação”, explicou Silva.

    “O diferencial é que não vamos desenvolver um programa de computador para simular na tela as experiências. O projeto é para que o aluno de uma escola, onde não há laboratórios para aulas práticas, possa fazer experimentos, acionando do teclado de seu computador os comandos para realizar remotamente a experiência no laboratório distante, que será visualizado por uma webcâmera”, explicou.

    “É importante essa preocupação em tentar melhorar a educação colocando a disposição tecnologias como ferramenta para crianças e adolescentes”, relatou. “É muito gratificante. Conceitos e iniciativas de inclusão sempre estão inseridas nas atividades do RExLab”, completou.

    De acordo com o professor, o laboratório desenvolve diversas atividades voltadas à inclusão digital de jovens e adolescente e para ele foi motivo de orgulho saber que os projetos estão se tornando cada vez mais conhecidos. “Fiquei muito feliz em saber que alguns participantes que lá estavam também sabiam da existência de nosso Projeto de Reciclagem de Microcomputadores através de notícias sobre “reconversão de máquinas caça-níqueis”.

    Participaram do congresso pesquisadores de instituições, representantes de governo e de agências de fomento de 13 países diferente da América Latina e do Caribe. O congresso abordou temas como a elaboração de projetos para submissão às agências de fomento e também projetos financiados pelo fundo.