Vice-governador assegura apoio para implantação efetiva do Museu Regional.

    “Estou impressionado com a dimensão do trabalho realizado aqui. O Museu já é uma realidade e, dessa forma, é interesse do Governo de Minas atuar diretamente na sua efetivação, até mesmo sobre o conteúdo que estará à disposição da comunidade”. Esta foi a afirmação do vice-governador, professor Antonio Augusto Anastasia, na tarde dessa quinta-feira (14), durante visita às obras de restauração do “Casarão da Fafil”, no qual será implantado o Museu Regional do Norte de Minas, sob a administração da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Ele esteve acompanhado pelo reitor, professor Paulo César de Almeida, do prefeito Luiz Tadeu Leite e comitiva de autoridades locais e regionais.

     

    No primeiro andar do prédio, datado de 1889, o vice-governador teve acesso a um painel de fotografias com o comparativo de várias partes do casarão, antes, durante e depois da restauração, que deverá ser totalmente concluída até o final deste mês, encerrando as comemorações oficiais dos 47 anos da Unimontes. Para a instalação do museu propriamente dito, a Unimontes precisará da aprovação de seu inventário junto à Superintendência de Museus da Secretaria de Estado de Cultura. O documento consta de 800 páginas e o vice-governador prometeu acompanhar o processo de sua aprovação.

     

    Na oportunidade, o professor Paulo César de Almeida destacou o empenho pessoal do professor Antonio Augusto Anastasia no sentido de viabilizar a liberação dos R$ 1.077.674,66 para a execução do projeto, sendo R$ 400 mil oriundos do programa ‘Cemig Cultural’, e outros R$ 677.674,66 disponibilizados pelo Instituto Oi Futuro, da empresa Telemar Norte Leste – através da Lei Rouanet.

     

    Ao mesmo tempo, o reitor destacou o trabalho desenvolvido pelas equipes da Unimontes e da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino Superior do Norte de Minas (Fadenor) – responsável pela supervisão dos recursos – no sentido de atender todas as exigências legais para o andamento do projeto. Os projetos museográfico e museológico, desenvolvidos pela Coordenadoria de Extensão Cultural, vão determinar os espaços para a exposição e qual a natureza do material que deverá ser reunido no local.

     

    O Museu Regional vai reunir um grande acervo documental, fotográfico e material sobre a história do Norte de Minas, que já está sendo catalogado. Haverá um acervo permanente, a partir de materiais da própria Universidade e de doações formalizadas pela população, além do acervo temporário, já que os outros municípios do Norte de Minas participarão de exposições itinerantes no local.