Em parceria com a Petrobras, Uenf desenvolve pesquisas voltadas para necessidades tecnológicas e de recursos humanos da Bacia de Campos.

    O Núcleo Regional de Competência em Campos Marítimos, que funciona na Uenf em parceria com a Petrobras, conta com R$ 23 milhões para o desenvolvimento de pesquisas até o ano de 2011. Criado em 2006, o Núcleo tem como função desenvolver atividades voltadas para as necessidades tecnológicas e de recursos humanos específicas da Bacia de Campos, referência nacional em produção offshore.  

     

    Cinco linhas de pesquisa foram criadas para atender aos objetivos do Núcleo: "Aquisição de equipamentos e adequação de espaço físico para implementação de uma Unidade de Caracterização Químico-Estrutural de Materiais" (coordenada pelo professor Ronaldo Paranhos), "Adequação de infra-estrutura de laboratório de modelagem geotécnica para ensaios em centrífuga geotécnica" (Fernando Saboya), "Adequação do Laboratório de Fluídos e Criação do Laboratório de Engenharia de Poço no Lenep/Uenf" (Adolfo Pires), "Construção e implantação do Laboratório Computacional e do Laboratório de Modelagem Física de Reservatório" (Roseane Misságia) e "Implantação de infra-estrutura laboratorial para o Setor de Análises de Contaminantes Ambientais Orgânicos e Inorgânicos Traços em Amostras Ambientais" (Carlos Eduardo de Rezende).

     

    Foram gastos, até o momento, R$ 15 milhões para adequar os laboratórios da Uenf às necessidades das novas linhas de pesquisas. Novas instalações estão sendo construídas, no campus da Uenf em Macaé, para abrigar o Laboratório de Modelagem Integrada de Reservatórios e, em breve, também o Laboratório de Engenharia de Poço.

     

    Os Núcleos Regionais de Competência em Universidades e Centros de Pesquisa foram criados para atender à Lei nº 9478, de 06/07/1997, na qual a ANP estabelece uma cláusula para atender à necessidade de investimentos de pesquisa e desenvolvimento (P&D) presentes nos contratos de concessão de exploração e produção com a Petrobras. Segundo a lei, pelo menos 1% da receita bruta gerada pelos campos de grande rentabilidade ou grande volume de produção deve ser investido em P&D, sendo 50% deste valor dentro do país.

     

    Além da Uenf, abrigam Núcleos Regionais as Universidades Federais de Sergipe (UFS), Espírito Santo (Ufes), Pernambuco (UFPE), Rio Grande do Norte (UFRN), Bahia (UFBA) e Itajubá (Unifei), bem como a PUC-Rio e o Centro de Tecnologia do Exército (CTEX). Na Uenf, o Comitê Gestor é formado por Eugênio Campagnolo (Cenpes), Sebastião Martins (UNBC) e Abel Carrasquilla (Lenep/Uenf). Cada projeto ou linha de pesquisa conta com um coordenador por parte da Uenf e um interlocutor técnico por parte da Petrobras.