Universidade mais antiga do mundo ocidental recebe comitiva da ABRUEM.

     Fundada em 1175, a Universidade de Modena e Reggio Emilia (Università degli Studi di Modena e Reggio Emilia), está localizada nas cidades de Modena e Reggio Emilia, cujas arquiteturas e esculturas representam a mais alta expressão do estilo românico da Itália. Esta instituição recebeu terça-feira (30) a delegação da Associação Brasileira dos Reitores Estaduais e Municipais (ABRUEM) para uma visita que busca conhecer as inovações tecnológicas italianas e consolidar projetos de intercâmbios de interesse para ambas as instituições.

     O reitor da instituição italiana, Aldo Tomasi, acompanhado pelos diretores das faculdades, recebeu a comitiva brasileira e fez a apresentação da estrutura da universidade anfitriã, destacando a prioridade em ampliar o intercâmbio com universidades estrangeiras e demonstrando grande interesse pelas universidades brasileiras.

     Modena tem aproximadamente 20 mil alunos regularmente matriculados e está dividida em 12 faculdades. Oito localizadas na cidade de Modena (Biociência e Biotecnologia; Engenharia; Direito; Letras e Filosofia; Economia; Medicina e Cirurgia; Farmácia; e Matemática, Física e Ciências Naturais). A faculdade de Medicina da Universidade de Modena tem mais de oito séculos, sendo uma das principais faculdades da Europa. As outras quatro faculdades (Ciências Agrícolas, Comunicação, Ciências Econômicas e Ciências Educacionais) ficam na localidade de Reggio Emilia. Atualmente, o percentual de alunos estrangeiros matriculados na universidade é de 5%, com previsão de atingir a meta de 10% nos próximos anos.

     O reitor italiano e sua equipe conheceram o sistema de ensino superior das afiliadas da ABRUEM e as cinco áreas de excelência das 10 universidades representadas na comitiva do Brasil. Ao término da reunião, o reitor Aldo Tomasi acompanhou a comitiva da ABRUEM para uma visita ao centro de Medicina Regenerativa e aos Laboratórios de Pesquisa de Física e Nanotecnologia.

    Localizada na forte região industrial da Itália, a Universidade de Modena mantém estreitas relações e atividades com as indústrias locais, a exemplo da Ferrari, para o desenvolvimento e avaliação de novos produtos.

     

    Alma-Mater Studiorum Università di Bologna

    A mais antiga universidade da Europa e a terceira do mundo, fundada em 1088, a Universidade de Bolonha (Alma-Mater Studiorum Universitá di Bologna), apresenta-se como um museu vivo que interage com a modernidade dos novos tempos, através de computadores de última geração e tecnologias avançadas. Para conhecer este contexto, os membros da comitiva da ABRUEM, tiveram um encontro no dia 30 de junho, com o reitor da Universidade de Bolonha, professor Pier Ugo Calzolari, que atua na área de engenharia eletrônica aplicada. O professor Calzolari é membro do Conselho Científico do Centro Internacional de Ciências e Alta Tecnologia do órgão das Nações Unidas para o desenvolvimento industrial e presidente do Conselho Científico do Instituto de Materiais Especiais para a Eletrônica e Magnetismo.

     

    Na ocasião o professor Calzolari apresentou aos brasileiros a estrutura da universidade de Bologna destacando que a principal missão da universidade é a responsabilidade social frente às comunidades regionais e a internacionalização da universidade. Segundo o reitor o conceito das universidades brasileiras tem aumentado consideravelmente nos últimos anos, em função da grande produção científica divulgada internacionalmente. “Temos interesse me ampliar o intercâmbio acadêmico científico com universidades brasileiras”, acrescentou Calzolari.

     

    A Università di Bologna  tem mais de 80 mil alunos em seus cinco campi (Bologna – principal, e mais importante, Forli, Ravenna, Casena e Rimini).  Possui 4.600 alunos estrangeiros, oriundos de mais de 100 países, de todos os continentes e 3.200 professores efetivos e mais 2.800 contratados.   Sua estrutura acadêmica e administrativa é composta de 23 faculdades, 135 cursos de graduação (três anos- 130 créditos), 201 mestrados (dois anos – 120 créditos) e 110 doutorados (mínino de três anos).

     

    O orçamento anual para suas atividades é de 700 milhões de Euros (70% Governo, 17% contibuição estudantil, 7% iniciativa privada,  2% Uniao Europeia, 2% comunidades regionais e  2% outras contribuições).

     

    Após a explanação do reitor Calzolari, o presidente da ABRUEM, reitor João Carlos Gomes fez uma apresentação detalhada da estrutura das universidades estaduais e municipais brasileiras, destacando as cinco áreas de excelencia das universidades representadas na comitiva. O professor João Carlos fez questão de ressaltar os investimentos que o Governo Federal, os Governos Estaduias e as agências de Fomento tem feito nas universidades brasileiras. “O momento das universidades brasileiras é favorável ao crescimento qualitativo e a intercâmbios acadêmicos internacionais e temos grande interesse em ampliar nossas relações com as universidades italianas, em especial a Università di Bologna” afirmou João Carlos. Outro fator ressaltado pelo presidente da ABRUEM é o empenho da Embaixada Italiana no Brasil e da Embaixada  Brasileira em Roma para que as relações que envolvem o intercâmbio acadêmico-científico sejam ampliadas.

     

    Presente também neste encontro, o vice-reitor de Relações Internacionais da Università di Bologna, professor Roberto Grandi colocou-se como mediador para formulação de convênios entre as universidades filiadas a ABRUEM e a universidade italiana valorizando a possibilidade de se criar programas de doutorados com dupla diplomação.

     

    Os reitores brasileiros apresentaram as intenções de estabelecer convênios e parcerias que beneficiem  a instituição italiana e as brasileiras do sistema ABRUEM, de forma a contribuir  com a internacionalização do ensino superior.

     

    Ao final da reunião o reitor João Carlos Gomes fez a entrega de uma placa ao reitor Pier Ugo Calzolari, destacando o encontro como um marco importante nas relações com a Università di Bolognha.