Unoesc participa pela segunda vez do Projeto Rondon.

    A Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc) foi selecionada pela segunda vez consecutiva para participar do Projeto Rondon. Novamente, um grupo de seis acadêmicos e dois professores da Instituição, irá desenvolver atividades voluntárias de cidadania, bem-estar, desenvolvimento local e sustentável beneficiando inúmeras comunidades. Alunos e professores vão atuar no município de São Pedro do Sul, no Rio Grande do Sul, entre os dias 10 e 26 de julho.

     

    Criado em 1967 e coordenado pelo Ministério da Defesa com a colaboração da Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação (MEC) e o apoio das prefeituras dos municípios envolvidos de diferentes estados do País, o Projeto Rondon objetiva a integração social por meio de atividades voluntárias de universitários buscando aproximá-los da realidade brasileira e contribuir para o desenvolvimento de comunidades carentes.

    A participação da Unoesc será institucional. A equipe de rondonistas está composta pela professora Magali Beatriz Augusto, do Curso de Pedagogia do Campus de Videira, responsável pela coordenação do grupo e Gilberto Pinzetta, professor do Curso de Administração da Unidade de Chapecó. Os acadêmicos são: Luciane A. Lima Cordeiro (Pedagogia) e José A. Machado Junior (Educação Física), ambos do Campus de Videira; Jardel Lúcio Bocchi (Direito) e Francine Facco (Agronomia), do Campus de Xanxerê; Adriana G. dos Santos (Enfermagem), do Campus de Joaçaba; e Patrícia A. de Andrade (Administração), do Campus Aproximado de Capinzal.

                  A professora Magali Beatriz Augusto, coordenadora do grupo da Unoesc que participa desta etapa do projeto comenta, explica que a participação no Projeto Rondon torna-se importante pela inserção da Unoesc num projeto federal, de extensão e totalmente filantrópico. “Para os acadêmicos é uma oportunidade de participar de processos de desenvolvimento comunitário, exercer seus conhecimentos e fortalecer sua visão de mundo e de cidadania”, completou.

    Segundo Magali, o plano de trabalho elaborado a partir da proposta enviada pela Unoesc, para participar dessa etapa, inclui 20 oficinas voltadas ao atendimento das necessidades elencadas pelas lideranças do município de São Pedro do Sul, na ocasião da visita precursora ao município, realizada pela professora coordenadora.

    A intenção é trabalhar junto aos multiplicadores de opinião para garantir que as ações tenham uma longevidade maior. “Vamos acionar os multiplicadores, ou seja, professores, líderes comunitários, associações de agricultores, grupos de jovens, adultos e idosos que são os personagens capazes de continuar o nosso trabalho.”

    Áreas de Atuação - Para participar a Unoesc encaminhou proposta de trabalho descrevendo em detalhes como a Instituição vai desenvolver cada uma das ações que foram divididas em dois conjuntos: “A” envolvendo as áreas de cultura, direitos humanos e justiça, educação e saúde e “B” envolvendo as áreas de comunicação, meio ambiente, tecnologia e produção e trabalho. Na etapa passada a Unoesc desenvolveu atividades do conjunto “B” e, nesta etapa, as atividades contempladas serão as do conjunto “A”.

    Na área cultural, a Unoesc propôs a realização de uma noite cultural com apresentações de artistas locais com o objetivo de capacitar multiplicadores para promover a expressão cultural da comunidade, valorizar a cultura local e gerar o intercâmbio de informações.

    Na área de direitos humanos e justiça a proposta é de prestar orientações de como organizar um conselho. As atividades visam capacitar organizações da sociedade civil na defesa dos direitos de cidadania e na implantação de ações de assistência social e, ainda, instalar, dinamizar ou atualizar os conselhos municipais nas áreas de educação, saúde, tutelar, assistência social, criança, meio ambiente e outros.

    Na educação, as atividades buscam capacitar educadores do ensino fundamental e médio sobre técnicas de ensino e aprendizagem, motivação, relacionamento interpessoal, distúrbios de aprendizagem, educação inclusiva e atendimento aos portadores de necessidades educativas especiais.

    Já na área da saúde, foram propostas diversas atividades as quais abrangem: capacitação e treinamento para agentes comunitários de saúde; oficina de formação de multiplicadores e planejamento de ações e intervenções em vigilância alimentar e nutricional; capacitação de jovens para atuarem como agentes multiplicadores nas escolas por meio de palestras sobre sexualidade, prevenção da prostituição infantil e uso do álcool e drogas; saúde bucal na comunidade visando estabelecer uma rede de multiplicadores com foco na adoção de práticas adequadas de higiene bucal e disseminação desses conhecimentos nas comunidades; e ainda, orientação e incentivo de práticas esportivas, benefícios da atividade física para a saúde em geral e maximização dos espaços locais disponíveis para atividades recreativas e esportivas.

    Saiba Mais - O Projeto Rondon é um projeto de integração social coordenado pelo Ministério da Defesa e conta com a colaboração da Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação (MEC). O Projeto envolve atividades voluntárias de universitários e busca aproximar esses estudantes da realidade do País, além de contribuir, também, para o desenvolvimento de comunidades carentes.

    O Projeto empenha-se em desenvolver a capacitação de organizações da sociedade civil na defesa dos direitos de cidadania, como também, a capacitação de educadores do ensino fundamental para a prática de leitura. A produção de textos e atendimento a portadores de necessidades educativas especiais e a organização de implantação de atividades comunitárias solidárias também são destaques no Projeto.

    Os voluntários preocupam-se, ainda, em orientar o desenvolvimento da agricultura familiar, bem como, colaborar na elaboração de projetos que atendam à infra-estrutura municipal, em particular nas áreas de saneamento básico e de meio ambiente.

    Desde sua criação, em 11 de julho de 1967, o Projeto realizou várias atividades de cidadania, bem-estar, desenvolvimento local, sustentável e gestão pública. Com isso, houve o aumento da área de atuação e muitas comunidades foram beneficiadas com os serviços sociais. Amazonas, São Paulo e Paraná estão entre os estados beneficiados. (Saiba mais em www.defesa.gov.br/projeto_rondon/).