Professores indígenas de Mato Grosso recebem diplomas pela Unemat.


     Lideranças indígenas, autoridades políticas, acadêmicas e convidados lotaram o ginásio Arlindo Buck, em Barra do Bugres (a 150 km de Cuiabá), nessa terça-feira (14.07) para presenciar um momento histórico: a colação de grau de 90 professores indígenas, por meio da Faculdade Indígena Intercultural, da Universidade do Estado de Mato Grosso.

    A cerimônia teve início com a apresentação de dança do povo Umutina, em agradecimento aos antepassados pela chuva e colheita. Os recém formados receberam o título de licenciados em Ciências Sociais; Línguas, Artes e Literaturas; e Ciências Matemáticas e da Natureza. A turma é composta por professores indígenas de 22 etnias de Mato Grosso, que atuam no Ensino Fundamental e Médio, nas escolas de suas aldeias.

    O presidente nacional da Fundação Nacional do Índio, Márcio Augusto Freitas de Meira, presidente do evento, afirmou que a formação superior desses jovens demonstra que a sociedade brasileira caminha no sentido de reafirmar a autonomia de seus povos. “A autonomia é o conhecimento que os povos indígenas têm para lidar com os seus próprios problemas e reafirmar sua identidade e cultura. O conhecimento não vem de fora, mas eles próprios transmitem seus saberes para seus filhos”, afirmou.

    As discussões sobre a formação de professores indígenas em nível superior começaram em 1992. Por meio de diferentes iniciativas, o projeto ampliou e fortaleceu suas ações.

    “O programa já havia se transformado em Faculdade ao mostrar maturidade para a qualificação dos povos indígenas. Agora, os desafios são ainda maiores para responder às demandas de formação continuada relacionadas à Educação Superior Indígena”, declarou o Reitor da Unemat, Taisir Karim, que na ocasião assinou a Resolução 018/2009, criando administrativamente a Faculdade Indígena Intercultural, vinculada ao campus de Barra do Bugres.

    Além da execução de cursos de licenciatura e bacharelado, possibilitando a formação em serviço de professores e profissionais indígenas, a Faculdade Intercultural objetiva a abertura de vagas em cursos regulares de pós-graduação lato e stricto sensu e administração do Museu Indígena a ser implantado.

    Para o coordenador geral, professor Elias Januário, a atuação da faculdade indígena ultrapassou a qualificação de professores. “Contribui para grande referência também em termos de produção científica e acadêmica”. Segundo ele, mais de 21 livros já foram editados, alguns deles escritos em português e língua materna indígena. “Esse material auxilia no trabalho nas escolas das aldeias, em forma de material didático”, afirmou.

    Também presente à cerimônia, o secretário de Estado de Educação, Ságuas Moraes, lembrou que a Unemat foi a primeira Instituição a oferecer graduação específica e despertou o Brasil para esta necessidade. “Atualmente, 14 instituições já oferecem curso para professores indígenas”. Segundo o secretário, está em discussão a abertura de mais um concurso público para professores índios.

    Já o secretário de Ciência e Tecnologia, Chico Daltro, reafirmou o compromisso de Governo em consolidar ainda mais a Faculdade Indígena da Unemat, com possibilidade de aumento de vagas na graduação e pós-graduação.

    Também estiveram presentes, o prefeito de Barra do Bugres, Wilson Francelino, o representante do Conselho Estadual de Educação, Geraldo Grossi, os pró-reitores Agnaldo Rodrigues (Graduação) e Carolina Joana da Silva (Pesquisa e Pós-graduação), diretores de institutos e faculdades.

    Faculdade Indígena- A 1ª turma de professores indígenas concluiu as atividades do curso, em junho de 2006, sendo realizada a Colação de Grau e a entrega dos diplomas de licenciados a 186 acadêmicos indígenas.

    Desenvolvido pela Unemat em parceria com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), de Ciência e Tecnologia (Secitec), Fundação Nacional do Índio (Funai), Prefeitura Municipal de Barra do Bugres.